MONTE DAS PINHAS

DESAFIO

Situada num monte alentejano, rodeada sobreiros, azinheiras e pinheiros a edificação original composta por duas casas, encontrava-se descaracterizada por sucessivas intervenções.

IDEIA

Retomando o espírito da arquitetura alentejana na sua faceta mais sensorial do que formal, este projeto, tem como base uma interpretação contemporânea do modo de habitar a casa e de como esta se relaciona com a envolvente natural, física e histórica da região onde se insere.

Constituída por três corpos distintos, dois formalmente mais tradicionais e outro mais contemporâneo que garante a articulação dos mesmos através de um volume de maior cércea, a casa, apresenta-se com um desenvolvimento predominantemente horizontal e com um cuidado na escolha dos materiais que reformula o modo de compreender o estilo tradicional não ao nível apenas decorativo e formalista mas numa abordagem contemporânea de volumetria, composição e escolha dos materiais.

As duas casas, apresenta-se assim como um diálogo entre a visão arquitetónica contemporânea (casa principal) e a beleza vernacular (casa secundária) de um conhecimento sedimentado de sabedoria popular criando assim um diálogo entre duas abordagens diferentes de intervenção mas com uma coerência que unifica o conjunto